Ciências e Tecnologia » Biologia » Ácido glioxílico | O mal escondido na beleza dos cabelos

Ácido glioxílico | O mal escondido na beleza dos cabelos

Cabelos lisos, desembaraçados, sem ondulações e, principalmente, resistentes à chuva e à umidade. Esse foi e continua sendo o sonho de muitas mulheres e, para alcançá-lo não medem esforços e confiam inteiramente em cremes mágicos e pastas com poder alisante, sem sequer conhecer o verdadeiro potencial químico dessas substâncias em especial o formol e o ácido glioxílico e, principalmente, seus riscos.

A estrutura química do cabelo

Ácido glioxílicoOs fios capilares são compostos basicamente por proteínas, formadas por longas  e paralelas cadeias de aminoácidos ligados entre si por meio de ligações primárias (iônicas e covalentes) e secundárias (interações por ligações de hidrogênio). As ligações covalentes entre os grupos de enxofre, conhecidas como ligações dissulfeto, são o tipo de ligação predominante. O aspecto ondulado dos cabelos pode ser por causas do emaranhado de moléculas no cabelo, ou também a outros fatores, como a  genética e tratamentos químicos anteriores.

O poder alisante

Um dos princípios alisantes se baseia no aquecimento para “quebrar” moléculas que mantém o cabelo ondulado ou rebelde. Isso já é feito  há muito tempo  com pentes quentes e, modernamente, com escovação e chapinha. Embora, o resultado seja agradável aos olhos femininos, ele não é duradouro, pois com a umidade, as interações antes existentes apenas entre fios de cabelo, passam a existir, também, entre os fios de cabelo e a água. Assim, surge o indesejável frizz e todo alisamento vai por água abaixo…

Uma alternativa para esse problema é a mistura de cremes a compostos alisantes, como o formladeído (formol), base de tioglicolato de amônia, hidróxido de sódio, hidróxido de potássio, hidróxido de cálcio, hidróxido de lítio e hidróxido de guanidina. Mesmo com essa variedade de produtos, o mais utilizado e com efeito mais alisador é o formol. A explicação é simples: as demais substâncias não levam ao alisamento perfeito como o formol. Porém a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) libera o uso de formol em concentrações inferiores a 0,2% e para fins de conservação do produto e não alisante. Concentrações superiores dessa substância levam a manchas no cabelo, intoxicação, perda capilar e, principalmente, o câncer!!! E todos esse efeitos nocivos à saúde se estendem aos cabeleireiros e aplicadores capilares, ou seja, o mal e o risco são para todos!!!

O perigo do Ácido glioxílico

Na tentativa de burlar cabeleireiros e profissionais da área, formuladores estão adicionando às fórmulas um produto chamado ácido glioxílico. Tal substância não é o formol e não confere odor ao creme. Até aí tudo bem. Porém, os formuladores sugerem que a aplicação deve ser seguida de aquecimento com chapinha ou escova para “melhor fixação” e com isso o ácido glioxílico se transforma em formaldeído e toda a ação dessa substância potencialmente perigosa é liberada. Portanto, o uso de alisantes contendo a substância ácido glioxílico é tão perigoso quanto o uso direto de formol.

Mulheres, para sua segurança verifiquem no rótulo dos produtos que estão sendo aplicados nas “escovas mágicas” se há ácido glioxílico na composição, para que o sonho de um cabelo liso pra sempre não encurte o seu “sempre”, se é que me entendem…

Referências e Bibliografia:

  1. Serban, Moldoveanu.  Pyrolysis of Organic Molecules: Applications to Health and Environmental Issues. New York: Elsevier. 2009 506 – 511.
  2. R. A. Back, S. Yamamo. The gas-phase photochemistry and thermal decomposition of glyoxylic acid. Canadian Journal of Chemistry. 1985, 63(2): 542-548, doi:10.1139/v85-088
  3. Georges Mattioda and Yani Christidis “Glyoxylic Acid” Ullmann’s Encyclopedia of Industrial Chemistry, 2002, Wiley-VCH, Weinheim. doi:10.1002/14356007.a12_495
  4.  Ip, H. S. Simon; Huang, X. H. Hilda, Yu, Jian Zhen. “Effective Henry’s law constants of glyoxal, glyoxylic acid, and glycolic acid”. Geophysical Research Letters 36 (1). doi:10.1029/2008GL036212
Compartilhe issoShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on StumbleUponShare on LinkedInShare on RedditEmail this to someoneShare on Google+

Escrito por Mailson de Queiroz

Químico e amante dessa ciência, assim como tudo que se conecta a ela... Mestre em Engenharia de Materiais e um professor que acredita na força de educação para mudar o mundo... Enfim, louco por ciências, apaixonado pelo conhecimento e, acima de tudo, cada vez mais um eterno aprendiz...

26 Comentários

  1. Girleide Afonso

    Pesquisando sobre o ácido glioxílico, lí uma matéria que dizia que o ácido glioxílico só se transforma em formol se exposto a uma temperatura de 500º ou mais. É verdade? Essa matéria foi uma resposta da Inoar contra a uma reportagem da Rede Globo em 03/11/2013.

  2. Meu amigo. Só quero lhe parabenizar por esses esclarecimento que vem fazendo a nossa sociedade tao leiga. De fato, nem todos conseguem ver isso e os que vêm não enxergam. Eu sou estudante de química, como VC im eterno aprendiz, especialmente dessa ciência maravilhosa. Um abraço amigo e tudo de muito bom pra VC.

    • A pergunta da Girleide Afonso é importantíssima para quem é cliente de salão. Já para o estudante de química Jaime Lopes foi totalmente desprezível ao ponto de não ser respondida. Ou será que ele realmente não domina o assunto?
      Segundo a INOAR houve uma campanha de difamação da Rede Globo para com empresas que produzem produtos com o ácido em questão quando a própria Globo Marcas tem um produto de alisamento chamado “Monalisa” que tem em sua fórmula o ácido Glíoxilico.

      A Rede Globo tem deixado muitos rastros, ao longo de sua história, de dúvidas aos seus espectadores de manipulação de informações sempre visando seus próprios interesses financeiros e atropelando a ética jornalistica tão defendida por orgãos sérios de defensores da liberdade de imprensa.
      O que fica nesta questão é: Temos ou não direito à uma informação verdadeira e que possa nos ajudar a defender
      nossa saúde e quem sabe até nossa vida?

  3. ácido glioxilico e tioglicolato de amônia são compativeis?

  4. Gente, mas pergunto: Comprei um produto para o cabelo com o ácido glioxílico. A atendente da loja que usa o produto diz que aplica e depois passa a chapinha. Na rótulo não fala em chapinha. NÃO MANDA USAR CHAPINHA.

    Pergunto: Sozinho, sem aquecimento, o ácido glioxílico matrata o cabelo? Li que ele abre as cutículas para que outro produto entre. É isso?

    Socorro, Mailson de Queiroz!!!!

  5. Jaqueline Farias

    Muito bom…

  6. Maria Jaqueline Farias da Silva Sousa

    Show

  7. Sim então estamos regredindo na tecnologia?? Maravilha eu odiei essa notícia !! Alguém tem q achar a solução pra cabelo ruim .. Essa deveria ser a salvação do século !

  8. Ana Carla Brasil

    Por favor, pode me esclarecer se ácido glioxilico e hidróxido de sódio são compatíveis?

  9. sandra Tavares

    Tagogostaria de saber sobre a reportagem da globo .Se o aciácido glioxilico só libera traços de formol a temperatura de 500 graus células.quero também saber se o ácido glioxilico tem a capacidade de quebrar cadeia de enxofre…

  10. Paulo Cesar Toledo

    Gostaria de saber se o acido nanoxilico é o mesmo do glioxilico.

    obrigado

    • Los tratamientos con glioxilico :liberan formol a los 450 500 grado y es una temperatura q no husamos y segudo q despues del tiempo de pose se enjuaga y despues se pasa la plancha .A mi parecer es una herramienta mas muy buena pero no es para todos los cabellos .

      • Primeiro: tratamentos com acido glioxílico liberam formol a 450 / 500 graus Célsius; Está não é uma temperatura que usamos nas pranchas. Segundo: depois da pausa, enxaguamos os cabelos e, em seguida, pranchamos . Passou a minha mente que é uma ferramenta muito boa, mas não para todos cabelos.

  11. Por favor, gostaria de saber, se poder me esclarecer, o que é o lanolorico acid, pois comprei um creme com esse componente, já pesquisei na Internet e não achei nada sobre ele, desde já obrigado!

  12. Parei de tomar a pílula a 1 mês e como não engravidei ainda fiz a progressiva com ácido glioxícilico….gostaria de saber se tem algum risco????pois continuo sem o uso da pílula porque quero engravidar…

  13. Bom dia, gostaria de saber se Ácido Metanóico é formol ou se é parecido com formol, tive cancer e vou fazer uma escova progressiva, e na sua composição tem o ácido Metanóico.

  14. Boa tarde…Trabalho cm uma progressiva que me foi vendi sem formol que pode ser feita em crianças a cima de 9 anos e gestantes acima de 3 meses, então perguntei qual a base dela e me foi dito que é aminoácidos e acido glioxilico…e agora posso continuar usando ou não? Que riscos tem ao bebê e as crianças

  15. Estudei sobre o assunto e cheguei a conclusão q o ácido glioxilico se transforma em formol em altas temperaturas ,no tentando o cabelo não tem condição de suportar tais temperaturas então claro q ele não vira o formol . se fosse elevado a tal temperatura até q se forme o formol o cabelo viraria cinza ….da pra ser utilizada sim sem problemas desde q tomem conhecimento e é autorizada pela anvisa como um produto para formulação de cosméticos.

  16. M.ª Gleice Moraes

    Caro Mailson, gostei muito de seu post e gostaria que me tirasse uma dúvida enorme, venho dando progressiva em meus cabelos que contêm o ácido glioxílico, será que posso mudar para o tioglicolato até para poder ter meus cachos de volta através de um permanente afro??? Desde já agradeço a atenção e fico no aguardo de uma breve resposta!!!

  17. Bom dia .
    Ácido glioxilico e aminoácidos são a msm coisa ? São compatíveis?

  18. Sou alergica a tofos tipo de formol e seus derivados, as progressiva com esse aci de o glioxilico é ou não formoldeido?

  19. Luciane Spercoski

    Muitos comentários e perguntas interessantes, que poderiam ser respondidas com outra reportagem sobre esse assunto que gera tantas dúvidas…

Seu comentário é bem vindo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Para burlar cabeleireiros formuladores estão adicionando às fórmulas uma substância chamada ácido glioxílico, que não é o formol e não confere odor ao creme