Ciências e Tecnologia » Biologia » Águas-vivas criadas no espaço pela Nasa não se orientam na Terra

Águas-vivas criadas no espaço pela Nasa não se orientam na Terra

Desde o início de 1990, nós, seres humanos temos feito algo ao mesmo tempo estranho e extremamente sensível: Estamos lançando águas-vivas no espaço. E temos feito isso em nome da ciência. Durante a primeira missão da NASA Spacelab Life Sciences (SLS -1) em 1991, a NASA começou a conduzir um experimento : “Os efeitos da Microgravidade Induzida em Aurelia Ephyra Diferenciação e síntese estatólito”. Para realizá-lo, o ônibus espacial Columbia lançou no espaço uma carga útil de 2.478 águas-vivas, contidas em frascos e sacos que foram preenchidos com água do mar artificial. Astronautas injetaram produtos químicos nos sacos que induzem os pólipos a nadar livremente (e, em última instância, reproduzir ). Ao longo da missão, as criaturas proliferaram : No encerramento da missão, haviam cerca de 60 mil exemplares orbitando a Terra.

O estudo com microgravidade em águas-vivas

O foco de tudo isso, como o título do experimento sugere, foi testar os efeitos da microgravidade sobre as águas-vivas e como elas se desenvolvem a partir de pólipos de medusa. E o ponto de que, por sua vez , foi testar como as águas-vivas iriam responder quando voltavam à Terra. Por mais incrível que pareça, águas-vivas tem um ponto em comum com os seres humanos: elas também se orientam de acordo com a gravidade.

Como o biólogo RR Helm explica:

Quando a água-viva cresce, ela forma cristais de sulfato de cálcio na margem de seu corpo. Estes cristais são cercadas por um pequeno bolso celular, revestido em cabelos especializados, e estas bolsas estão igualmente espaçadas em torno do sino. Quando elas girarem, rolam para baixo os cristais com a gravidade para o fundo da cavidade, movendo os cabelos de células, que por sua vez enviam sinais para os neurônios. Desta forma, águas-vivas são capazes de sentir de cima e para baixo. Tudo que elas precisam é a gravidade.

Águas-vivas criadas no espaço pela Nasa não se orientam na TerraOs seres humanos, é claro, são igualmente sensíveis . Sentimos tanto a gravidade e a aceleração e usando otólitos, cristais de cálcio em nossos ouvidos internos que movem as células ciliadas ultra-sensíveis, informando, assim, o nosso cérebro a forma que a gravidade está nos puxando. Então, se a água-viva cresce no espaço, não irá desenvolver plenamente a sua versão de sensores de gravidade , segundo essa teoria, é provável que os seres humanos criados em ambientes de microgravidade teriam dificuldades similares.

E aqui, de acordo com a Deep Sea News, é o resultado dos estudos : o senso de gravidade das águas-vivas criadas no espaço, de fato, parece ser prejudicado pelo crescimento no espaço. Os resultados da experiência STS -1 , foram publicado na revista Advances in Space Research, nota-se que, embora as águas-vivas criadas no espaço eram de uma raça morfologicamente muito semelhante às que se desenvolvem na Terra, as suas habilidades motoras eram diferentes na terra do que eram em microgravidade. Em uma espécie de revisão do estudo Helm observa que “Enquanto o desenvolvimento dos bolsos sensoriais aparecem normalmente, muitas delas tiveram problemas para se locomover no planeta.” As dificuldades incluem, infelizmente, ” Pulsação e anormalidades do movimento, em comparação com os seus similares da Terra”.

Basicamente, os invertebrados tiveram o que conhecemos como vertigem. O estudo é importante para mensurar os efeitos sobre organismos vertebrados (como por exemplo nós seres humanos), num ambiente de microgravidade como no espaço.

Referências e Fontes

Compartilhe issoShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on StumbleUponShare on LinkedInShare on RedditEmail this to someoneShare on Google+

Escrito por Larissa Souza

Bióloga apaixonada por insetos e plantas desde pequena ama a vida em todas as suas formas.

Um comentário

  1. Achei muito interessante, porém devemos focar no foco. vocês sabem como faz.

Seu comentário é bem vindo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Desde o início de 1990, nós, seres humanos temos feito algo ao mesmo tempo estranho e extremamente sensível: Estamos lançando águas-vivas no espaço