Ciências e Tecnologia » Biologia » Biolixiviação | Bactéria extrai metais de placas de circuito impresso

Biolixiviação | Bactéria extrai metais de placas de circuito impresso

Pesquisadora da escola politécnica da USP, desenvolve novo método para extração de metais de placas de circuito impresso. Placas de circuito impressos são encontradas em praticamente todos os aparelhos eletroeletrônicos nas residências, bem como nas industriais, e em computadores, a vida útil de tais componentes vem diminuindo a cada dia, sendo necessária a sua substituição por novos componentes. Isso gera um grande problema no seu processo de reciclagem, pois a essas placas são compostas de diferentes materiais, como metais, fibra de vidro e compostos orgânicos, sendo geralmente separadas por processos pirometalúrgicos e hidrometalúrgicos.

Contendo materiais de estimado valor comercial como platina, cobre, ouro e prata dentre outros, tais placas geralmente são vendidas para empresas estrangeiras especializadas na extração desses materiais, pois não há empresas que realizem esses processos na industria brasileira.

Biolixiviação para a extração do cobre em placas de circuito impresso

Bactéria extrai metais de placas de circuito impresso - BiolixiviaçãoA pesquisadora Luciana Harue Yamane, da Escola Politécnica da USP, em sua tese de doutorado, dedicou-se a desenvolver um método diferente para a extração desses metais, que utiliza além de processos químicos, processos biológicos para extrair os metais. A biolixiviação é o processo pelo qual um microrganismo é capaz de solubilizar um determinado metal, em sua pesquisa Luciana utilizou o processo para separar os metais das placas de circuito impresso.

Inicialmente as placas de circuito impresso foram trituradas em fragmentos de ≈ 2 mm, depois com o auxílio de um separador magnético, foram retirados os metais como o ferro e o níquel que sofrem atração magnética, sobrando apenas os metais não-magnéticos como cobre e ouro e os demais materiais que compõem as placas e precisam ser retirados.

Cultivando e adaptando a bactéria Acidithiobacillus ferroxidans na presença de placas de circuito impresso para aumentar a eficiência e reduzir a mortalidade das bactérias a esse resíduo inicialmente tóxico a elas, foi possível utiliza-las para extrair os metais em especial o cobre da mistura, pois o mesmo impossibilita o processo de extração dos outro metais por um método conhecido como cianetação.

A bactéria foi capaz de extrair 98% do cobre da mistura num processo ecologicamente correto, ao passo que lixiviação com sulfato de férrico extraiu cerca de 35% a menos. Após a biolixiviação, restaram concentrados na mistura de outros metais como ouro, para a extração por cianetação.

Pela biolixiviação, o cobre sai da mistura da forma sólida para a forma solúvel (Cu+2). O que sobra é um pó, formado por polímeros e os metais preciosos. Pelo método da cianetação esses metais podem, então, ser extraídos.

Compartilhe issoShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on StumbleUponShare on LinkedInShare on RedditEmail this to someoneShare on Google+

Escrito por George Cruz

Técnico em química, programador, graduando em engenharia mecânica, um amante do conhecimento, da boa música e da arte.

Seu comentário é bem vindo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Pesquisadora da escola politécnica da USP, desenvolve novo método para extração de metais de placas de circuito impresso por Biolixiviação