Ciências e Tecnologia » Biologia » Cafeína | A química da cafeína que tomamos no café

Cafeína | A química da cafeína que tomamos no café

A cafeína é a droga mais consumida em todo o mundo. Gostamos tanto, que uma de nossas refeições diárias foi nominada em sua homenagem (café-da-manhã). A grande maioria dos brasileiros adultos consomem doses diárias de cafeína superiores a 300 mg, e muitos são viciados. Você já se perguntou o que torna a cafeína tão popular? Por que milhões de pessoas usam esta droga (sim, embora seja uma droga lícita e faça parte do dia-a-dia, a cafeína é uma droga)? A cafeína do famoso “cafezinho” esconde algumas curiosidades, confira abaixo, o ponto de vista da química do café.

A química da cafeina e do café

A cafeína é a 1,3,7-trimetilxantina – um pó branco cristalino muito amargo. Na medicina, a cafeína é utilizada como um estimulante cardíaco e um diurético. Ela também produz um “boost” de energia, ou um aumento no estado de alerta – por isso motoristas e estudantes tomam litros de café para permanecerem acordados. A cafeína é uma droga que causa dependência – física e psicológica. Ela opera por mecanismos similares às anfetaminas e à cocaína. Seus efeitos, entretanto, são BEM mais fracos do que estas drogas, mas ela age nos mesmos receptores do sistema nervoso central.

Cafeína - uma droga lícita

Cafeína – uma droga lícita

 

Se você sente que “não funciona” sem um copo de café, é porque você já está viciado em cafeína…

A ligação da adenosina, um neurotransmissor natural, aos seus receptores, diminui a atividade neural, dilata os vasos sanguíneos, entre outros. A cafeína se liga aos receptores da adenosina e impede a ação da mesma sobre o SNC. A cafeína estimula a atividade neural e causa a constricção dos vasos sanguíneos, pois bloqueia a ação da adenosina. Muitos medicamentos contra a dor de cabeça, tal como a Aspirina Forte, contém cafeína – se você estiver sofrendo de uma dor de cabeça vascular, a cafeína irá contrair os vasos sanguíneos e aliviar a dor. Com o aumento da atividade neural, a glândula suprarrenal (localizada sobre os rins) “pensa” que algum tipo de emergência está ocorrendo, e libera grandes quantidades de adrenalina causa uma série de efeitos no corpo humano, como a taquicardia, aumento da pressão arterial, abertura dos tubos respiratórios (por isso muitos medicamentos contra a asma contém cafeína), aumento do metabolismo e contração dos músculos, entre outros.

Um benefício atribuído ao consumo da cafeína está relacionado à sua capacidade de estimular a lipólise (quebra das moléculas de gordura no organismo), o que, teoricamente, favoreceria o emagrecimento. Porém, essa ação ocorre a um custo elevado para o organismo, com mobilização dos depósitos de gordura fazendo aumentar os níveis da mesma no sangue. Dessa forma, taxas de colesterol no sangue podem aumentar, juntamente com riscos de infarto.

Resumindo, a cafeína, em curto prazo, impede que você durma porque bloqueia a recepção de adenosina; ela lhe dá mais “energia”, pois causa a liberação de adrenalina, e lhe faz sentir melhor, pois manipula a produção de dopamina. Porém, o efeito que a cafeína tem sobre o sono, em longo prazo, é desvantajoso. A recepção de adenosina é muito importante para o sono, principalmente para o sono profundo. Sendo assim, como haverá um bloqueio de recepção de adenosina, o sono não virá e você pode se tornar um “ser zumbi”, tomado por uma insônia constante.

Não é necessário parar de tomar aquele cafezinho quentinho no meio da tarde ou pela manhã. O que é preciso é equilibrar o consumo de cafeína, presente no café, chás, chimarrão, refrigerantes, energéticos e, quem diria, até no chocolate. Afinal, uma pausa para o café pode ser essencial e dar energia para o término do dia, não é mesmo?!

Compartilhe issoShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on StumbleUponShare on LinkedInShare on RedditEmail this to someoneShare on Google+

Escrito por Mailson de Queiroz

Químico e amante dessa ciência, assim como tudo que se conecta a ela… Mestre em Engenharia de Materiais e um professor que acredita na força de educação para mudar o mundo…
Enfim, louco por ciências, apaixonado pelo conhecimento e, acima de tudo, cada vez mais um eterno aprendiz…

Um comentário

  1. Show de bola! Muito bom saber destas informações.

Seu comentário é bem vindo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

A cafeína é a droga mais consumida em todo o mundo. Gostamos tanto, que uma de nossas refeições diárias foi nominada em sua homenagem (café-da-manhã)