Ciências e Tecnologia » Notícias » Carbino | O alótropo melhorado do grafeno

Carbino | O alótropo melhorado do grafeno

Grafite e diamante são duas formas alotrópicas de carbono, já diziam os livros de química de ensino médio. Livros mais modernos citam até o grafeno, material que apresenta propriedades superiores às do grafite e diamante. O que não está escrito nos livros e, provavelmente, vai demorar um pouco mais para ser divulgado no meio estudantil, o novo material conhecido como carbino, por enquanto em desenvolvimento.

Como é o novo material?

Estrutura em rede do Carbino

Carbino é um material constituído apenas de átomos de carbono, unidos por ligações atômicas duplas e simples, alternadas. Tal estrutura torna o carbino um material unidimensional e com possibilidade de rotações, por meio das ligações simples.

Estudos teóricos indicam que o carbino apresentaria o dobro da rigidez do grafeno e dos nanotubos de carbono e dureza quase três vezes superior à dureza do diamante! Essas propriedades propiciariam o uso do novo material onde propriedades destoantes, como a dureza e maleabilidade são requeridas. Atualmente, apesar da vasta classe de materiais encontrados e desenvolvidos, não há um material que atenda satisfatoriamente todas essas propriedades. Essa seria a grande justificativa para que o novo material seja trabalhado e aperfeiçoado para escala industrial. Outras propriedades que justificam os estudos em torno do carbino são as propriedades eletrônicas. Como o carbino apresenta capacidade rotacional, elétrons podem gerar vacância (vacância é o local vago de um elétron quando o mesmo salta para outro lugar), o que dobraria, no mínimo, a condutividade elétrica e magnética desse material.

Aplicações do Carbino:

Com tantas propriedades interessantes, não faltam aplicações ao carbino. Ele pode ser utilizado desde circuitos spintrônicos, sensores nanoeletromecânicos até a formação de fibras poliméricas e compósitos ultraleves e fortes. Para conclusões mais efetivas sobre o uso do material só serão possíveis a partir de testes de reatividade do material consiguir sua degradação; estudos que já estão a caminho.

Fontes e Bibliografia:

Compartilhe issoShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on StumbleUponShare on LinkedInShare on RedditEmail this to someoneShare on Google+

Escrito por Mailson de Queiroz

Químico e amante dessa ciência, assim como tudo que se conecta a ela… Mestre em Engenharia de Materiais e um professor que acredita na força de educação para mudar o mundo…
Enfim, louco por ciências, apaixonado pelo conhecimento e, acima de tudo, cada vez mais um eterno aprendiz…

Um comentário

  1. Muito legal quando descobri o fulereno vem carbino muito bom

Seu comentário é bem vindo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Grafite e diamante são duas formas alotrópicas de carbono, já diziam os livros de química de ensino médio. Livros mais modernos citam até o grafeno,