Ciências e Tecnologia » Biologia » Como os tubarões percebem suas presas?

Como os tubarões percebem suas presas?

A incrível capacidade predatória dos tubarões não é decorrente somente do grande e poderoso aparato bucal e da cinese craniana (disposição dos ossos do crânio que permite a inclusão de grandes itens na dieta, sem a exclusão dos pequenos), mas principalmente do acurado e diversificado sistema sensorial.

O Incrível Sistema Sensorial dos Tubarões

Ataque dos Tubarões

Os tubarões usam sua sensibilidade à eletricidade e ao calor para localizar os limites entre massas de água de diferentes temperaturas com finalidade de encontrar prováveis presas. Os elasmobrânquios (raias e tubarões) são capazes de detectar campos elétricos por meio de estruturas conhecidas como ampolas de Lorenzini. As ampolas são eletrorreceptoras sensíveis, dotadas de um canal preenchido por um gel condutor de eletricidade que se estende a uma distância abaixo da superfície da epiderme. Esta distância permite uma diferença de potencial elétrico. Assim, células modificadas, os eletrorreceptores, podem detectar campos elétricos correspondentes a variações no espaço. Os eletrorreceptores se assemelham a voltímetros, medindo a diferença dos potenciais elétricos em locações discretas por toda a superfície do corpo do animal. As sensibilidades destes órgãos ampulares têm limites menores que 0,01 milivolt, um nível de detecção alcançado apenas pelos melhores voltímetros.

Com tais características sensoriais, potenciais presas ficam fáceis de serem encontradas. Mas, por quê? Toda a atividade muscular gera um potencial elétrico e, além disso, organismos aquáticos constantemente liberam um potencial devido ao resultado do balanço químico do organismo com o meio. Um tubarão pode localizar e atacar um peixe, por meio apenas das descargas elétricas produzidas pela presa. As diferenças de temperaturas das massas de água ao longo dos mares, nas quais uma provável concentração de peixes encontra-se, é mais um método utilizado pela maioria dos tubarões. O gel lipoproteico que preenche o canal das ampolas de Lorenzini pode responder a variações de 0,001 ºC e, dessa forma, auxiliar os tubarões a localizar com mais precisão suas presas ao longo da imensidão dos oceanos.

O incrível sistema Sensorial dos Tubarões

A recepção química é outro sentido importante, muitas vezes os tubarões são comparados a “narizes nadadores”, de tão acurado é seu senso de olfato. Você, provavelmente, já viu em algum filme ou desenho animado uma gota de sangue cair na água do mar e imediatamente uma infestação de tubarões surgir. Isso é verdade. Experimentos demonstram que alguns tubarões respondem a compostos químicos a uma concentração muito baixa, menores que uma parte por 10 bilhões. A visão também auxilia no comportamento alimentar, principalmente em intensidades baixas de luminosidade. Esta sensibilidade é proveniente da retina rica em bastonetes e de uma estrutura conhecida como tapetum lucidum. O tapetum lucidum é uma agrupamento de células que contêm cristais de guanina e estes cristais agem como espelhos refletindo a luz de volta para a retina, aumentando as chances de uma maior absorção luminosa.

Ao longo das eras os tubarões desenvolveram mecanismos de localização de presas extremamente refinados e eficientes. Isto contribuiu para colocar esses animais na seleta lista de maiores predadores do planeta. Então, cuidado no mar! Qualquer movimentação brusca ou qualquer arranhão em mar aberto, ou até em regiões litorâneas, pode significar seu fim.

Compartilhe issoShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on StumbleUponShare on LinkedInShare on RedditEmail this to someoneShare on Google+

Escrito por Rodolfo

Graduando em Ciências Bilógicas
Unesp – Campus Rio Claro

Um comentário

  1. who is the photographer of the single shark photo?

Seu comentário é bem vindo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*