Ciências e Tecnologia » Tecnologia » Engenharia » Oscar Kjellberg | O criador do Eletrodo Revestido

Oscar Kjellberg | O criador do Eletrodo Revestido

Oscar Kjellberg | O criador do Eletrodo RevestidoFilho de um trabalhador ferroviário e de origem humilde, nasceu na paróquia de Arvik, na suécia, em 21 de setembro de 1870, sendo o mais velho de cinco irmãos. Seu pai foi assassinado e desde pequeno ele precisou trabalhar para ajudar sua família e custear sua educação.

Sempre acreditou no trabalho e no estudo como formas de melhorar a vida de um homem. Tornou-se desde cedo aprendiz em uma oficina mecânica de Kristineham, quando adentrou na marinha para se qualificar em praticas de trabalho com maquinário e juntar dinheiro para custear seus estudos superiores. Após trabalhar em vários navios a vapor e se formar como segundo oficial de máquinas pela escola naval de Malmo em 1896, aceitou um emprego como chefe  de maquinas na Hallands Angbats Aktiebolag. Dando prosseguimento aos seus estudos, se formou engenheiro naval pela Escola Técnica de Bremen em 1902.

A criação do eletrodo revestido

A invenção do eletrodo revestidoInsatisfeito com as técnicas usadas em remendos de manutenção nos navios, começou a investigar peças reparadas usando soldagem, um processo até então em seus primórdios. Estudando a literatura da época, constatou que o método elétrico de soldagem na verdade era um fracasso total. Percebeu então que o fracasso residia no fato de não haver nada para proteger o arco elétrico (responsável pelo calor que funde o metal) da contaminação com o ar atmosférico durante a soldagem, resultando em soldas de baixíssima qualidade. Adicionalmente, o processo resultava em um arco extremamente instável.

Ele percebeu que para obter uma solda de boa qualidade, precisaria encontrar uma forma de forçar o arco a se manter estável e expulsar o oxigênio em torno da zona de soldagem. Após alguns anos de pesquisas chegava, em 1907, ao Eletrodo Revestido, com a patente intitulada “Procedimentos para soldagem elétrica incluindo o eletrodo apropriado para este objetivo”. Fundou então uma empresa para produzir e comercializar a nova invenção, a ESAB, ainda hoje uma gigante da área de soldagem no mundo todo.

O eletrodo revestido tornou a soldagem um dos processos mais empregados na produção e reparo de equipamentos metálicos pelos seguintes motivos:

  • O revestimento não-metálico gerava um gás de proteção quando derretia, impedindo que a região da solda ficasse em contato com o oxigênio, impedindo a formação de óxidos prejudiciais ao metal de solda;
  • O revestimento funcionava como um isolante elétrico, impedindo que ocorressem arcos indesejáveis por contato acidental da vareta com as bordas da peça;
  • O arco elétrico se mantinha estável, facilitando a direção correta de soldagem.

Bibliografia

Compartilhe issoShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on StumbleUponShare on LinkedInShare on RedditEmail this to someoneShare on Google+

Escrito por Bruno Spirandeli

Bruno Roberto Spirandeli Mestra e doutorando em Ciência e Engenharia de Materiais

Seu comentário é bem vindo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

O eletrodo revestido tornou a soldagem um dos processos mais empregados na produção e reparo de equipamentos metálicos pelos seguintes motivos