Ciências e Tecnologia » Astrofísica e Astronomia » Nebulosas | Grandes nuvens de gás no Universo

Nebulosas | Grandes nuvens de gás no Universo

Se traduzirmos a palavra do latim nebula, que significa simplesmente nuvem, e de certa forma é exatamente isso que as nebulosas são, porém as nebulosas de que estamos prestes a falar, são muito mais do que simples nuvens. Então, o que é uma nebulosa? Uma nebulosa é uma nuvem interestelar no espaço que é composta de poeira, hidrogênio, hélio, e plasma. Elas são formadas quando porções do colapso meio interestelar se agregam, devido à atração gravitacional das partículas que o compõem. Para aqueles que ainda não estão cientes, o espaço não é totalmente vácuo (embora às vezes possa ser definido como tal), muito pelo contrário, ele é composta de gáses e poeira conhecidos coletivamente como o meio interestelar ou ISM. Assim, é nesta matéria dispersa que eventualmente colapsa e forma uma nebulosa. Nebulosas, como a Nebulosa de Orion, são os objetos astronômicos, muitas vezes favoritos de cientistas que querem aprender mais sobre a formação estelar e planetária.

Formação de uma Nebulosa

Uma das mais belas nebulosas a Nebulosa da Borboleta

Certas partes de uma nebulosa podem se agregar um pouco mais,  pois as forças gravitacionais entre as partículas é diretamente proporcional às suas massas, lembra? Assim, quanto mais massa se aglutinar, maior sua atração gravitacional entre os outros corpos e partículas em sua vizinhança, à medida que o aglomerado de partículas se torna mais denso forma estruturas maiores e mais massivas, e elas  por suas vez atraem mais poeira e gás, a pressão dentro, fica então tão alta que a fusão nuclear surge. Isto resulta na emissão de radiação electromagnética de alta energia, que por sua vez ioniza as camadas exteriores de gás. Gás ionizado é plasma, e assim o plasma e radiação eletromagnética são adicionados à mistura, nisso consiste os primeiros estágios da formação de estrelas, e é o que mais desperta o interesse de alguns cientistas nas nebulosas.

Tipos de Nebulosas

Na verdade, nebulosas não são apenas os pontos de partida da evolução estelar. Ironicamente, elas também podem ser os pontos finais. Você pode pensar nisso como o ciclo nebulosa -> estrela -> nebulosa. Estrelas que se tornam gigantes vermelhas podem perder suas camadas exteriores durante pulsações em suas camadas externas, conhecidas como as suas atmosferas, quando isso ocorre  é normalmente a matéria da camada exterior é liberada, sendo ela composta geralmente de 97% de hidrogênio e 3% de hélio, com alguns vestígios de outros materiais.

É esta matéria liberada que forma o que é conhecido como uma nebulosa planetária. A nebulosa planetária é apenas um dos quatro tipos principais de nebulosas. Os outros três são as regiões HII, remanescentes de supernova, e nebulosa escura. Algumas das nebulosas mais proeminentes são a Nebulosa do Caranguejo, Eagle, Orion, Pelicano, Anel, e Nebulosa de Rosette.

Nebulosas Regiões HII

Uma região HII gigante na galáxia do TriânguloÁreas de espaço que emitem luz com o espectro de emissão de hidrogênio ionizado são chamadas regiões HII. Elas estão associados com a presença de estrelas de grande massa do tipo O e B. Tais estrelas, tendo a temperatura da superfície no intervalo de 15.000 – 30.000 K, apresentam curvas de radiação de corpo negro, e apresentam radiação ultravioleta. Essas estrelas, muitas vezes, estão rodeado por vastas nuvens de gás compostas por hidrogênio, a radiação ultravioleta pode ionizar os átomos de hidrogênio, esses átomos de hidrogênio tendem a atrair elétrons e aglutinar, com os elétrons capturados em cascata através dos estados quânticos do átomo de hidrogênio, que emite fótons característicos de luz sobre cada salto baixo. Uma característica visível de tal emissão é a luz de cor vermelha, dependendo da velocidade de recessão da nebulosa, a luz será vermelha desbotada, mas muitas regiões, como a região do M16 mostrar um brilho vermelho característico das emissões de hidrogênio. Regiões HII são berçários de aglomerados de estrelas jovens, e são úteis como parte de medidas astronômicas de distância. Exemplos desse tipo de nebulosa são as nebulosas de órion, e a nebulosa da águia.

Remanescentes de Supernovas

Imagem composta por Múltiplos Comprimentos de Onda do remanescente de supernova de Kepler

Remanescente de supernova também chamado de SNR (supernova remnant) é a estrutura resultante da explosão de uma estrela em uma supernova. Um remanescente de supernova é delimitado por uma onda de choque em expansão, e consiste no material ejetado pela expansão da explosão.

Nebulosas Escuras

As nebulosas escuras são aglomerados ou nuvens que se tornam opacas por causa de seus grãos de poeira internos. A forma dessas nuvens escuras é muito irregular: não possuem limites externos claramente definidos e às vezes assumem formas de serpentinas complicadas. A maiores nebulosas escuras são visíveis a olho nu, aparecendo como manchas escuras contra o fundo brilhante da Via Láctea. Um exemplo é o Coalsack no céu do sul.

O hidrogênio destas nuvens escuras e opacas existe sob a forma de moléculas de H2.

Presumivelmente a mais famosa nebulosa escura a Nebulosa cabeça de cavalo.A maior nebulosa deste tipo, as chamadas nuvens moleculares gigantes, possuem mais de um milhão de vezes a massa do sol. Eles contêm grande parte da massa do meio interestelar, medindo cerca de 150 anos-luz, e tem uma densidade média de 100 a 300 moléculas por centímetro cúbico e uma temperatura interna de apenas 7 a 15 K. consistem principalmente de gás e poeira, mas contém muitas estrelas também. Os núcleos nessas nebulosas são completamente escondidos e seria indetectável, exceto pela as emissões de micro-ondas de suas moléculas constituintes. Esta radiação não é absorvida pelo pó e facilmente escapa da nuvem. O material dentro das nuvens é aglutinado em todos os tamanhos, com algumas nuvens que vão até as massas de estrelas individuais. A densidade dentro dos aglomerados pode chegar a até 105 moléculas de H2 por centímetro cúbico. Pequenos aglomerados pode se estender cerca de um ano-luz de diâmetro. As nuvens têm um campo magnético interno que fornece suporte contra a sua própria gravidade.

Compartilhe issoShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on StumbleUponShare on LinkedInShare on RedditEmail this to someoneShare on Google+

Escrito por Equipe de Redação Ciências e Tecnologia

2 Comentários

  1. que merda nao me ajudo em nada

  2. Luan Christian

    Muito bom, achei extremamente informativo! O conceito de Nebulosas é um dos melhores conceitos que eu consigo pensar (no geral), e realmente me faz querer ir para o espaço haha

Seu comentário é bem vindo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Nebulosa é uma nuvem interestelar no espaço que é composta de poeira, hidrogênio, hélio, e plasma. nebulosas se formadas por colapsos no meio interestelar