Ciências e Tecnologia » Química » Polônio | Veneno em forma de metal.

Polônio | Veneno em forma de metal.

Ao falarmos do polônio logo nos vem à cabeça o país Polônia e não sem razão, pois este elemento radioativo de número atômico 84 foi descoberto em 1898 pelo casal Pierre e Marie Curie. O nome polônio foi dado por Marie Currie em homenagem a sua terra natal, a Polônia, sabe-se que o mesmo possui 33 isótopos sendo que todos são radioativos.  Em condições naturais de temperatura e pressão (CNTP) o polônio encontra-se em estado sólido, mas ainda assim encontra-lo é algo trabalhoso, para ter ideia, existe cerca de 0,1 mg do elemento em equilíbrio com 1 tonelada de urânio, ou seja, em cada 1 tonelada de urânio é possível extrair 0,1 mg de polônio.

Na imagem, o polônio como encontrado na natureza.

Na imagem, o polônio como encontrado na natureza.

Este metal representativo não teve muita importância até a invenção da bomba atômica, nela o polônio teve um papel crucial, pois, ele serviria como um gatilho no centro das bombas atômicas originais que destruíram Nagasaki e Hiroshima. Todavia há dois grandes problemas na sua manipulação, o primeiro é a meia vida – tempo em que o elemento leva para perder a metade da radioatividade – que tem apenas 138 dias, o outro problema é mais grave é a quantidade de partículas alfa que ele emite, uma única grama pode atingir rapidamente a temperatura de 500ºC, claro que por ser um emissor de partículas alfa, a radiação do polônio pode até mesmo ser interrompida por uma folha de papel ou pela camada de células mortas da nossa pele, o que torna o elemento muito fácil de ser transportado, podendo ser levado, inclusive, em um pequeno pote de vidro bem fechado. É capaz de aniquilar um adulto com uma dose de apenas 1 micrograma. Com apenas 1 grama de polônio um terrorista seria capaz de matar 10 milhões de pessoas.  Foi possivelmente assim que Alexander Litvineko, o ex-espião russo foi assassinado, por meio do polônio, quando Alexander ameaçou se voltar contra o governo de Vladimir Putin, foi misteriosamente assassinado, exames apontaram doses muito mais altas do que a dosagem letal para um ser humano isto acabou levando à morte em 3 semanas.

Alexander antes e depois de ser envenenado pelo isótopo 210 do polônio

Alexander antes e depois de ser envenenado pelo isótopo 210 do polônio

Outro caso que vem repercutindo atualmente é sobre a causa morte do líder palestino Yasser Arafat que foi envenenado em 2004, recentemente amostras foram coletadas do túmulo de Arafat para que fosse feita uma análise mais detalhada sobre as causas e foi descoberto doses letais de polônio 210, mas o que a grande maioria das pessoas desconhece é que os cerca de 6 trilhões de cigarros consumidos anualmente contém, cada um, uma pequena dose de polônio- 210. As tragadas podem somar um acúmulo no organismo equivalente a 300 raios-X ao ano. Recentemente descobriu-se, através da liberação de documentos da indústria fumageira, que esta tem conhecimento disto desde a década de 1960 e mais, já teria pesquisado formas de retirar o polônio 210 do cigarro, mas não o fez nem sequer alertou a população sobre isso.

Presença do polônio no cigarro.

Presença do polônio no cigarro.

Características físicas do polônio

 

  • Número de atômico: 84
  • Massa atômica: 209
  • Ponto de fusão: 527 K (254° C)
  • Ponto de ebulição: 1235 K (962° C)
  • Densidade: 9196 kg/m³
  • Fase em temperatura ambiente: Solido
  • Classificação Elemento: Metal Representativo
  • Radioativo

 

O que ainda pode tranquilizar é saber que a extração do polônio é algo praticamente impossível a um leigo e mesmo a um perito no assunto não extrairia tão facilmente.

Referências:

ATKINS, Peter; JONES, Loretta. Princípios de Química. 3. ed. Porto Alegre, 2006.

SARDELA, Antônio. Química. 5. ed. São Paulo, 2002.

CECCON, Oswaldo; BERNER, Renata E. Classificação Periódica dos Elementos. 2. ed. Curitiba, 1966.

MAIA, Daltamir Justino; BIANCHI, J.C de A. Química Geral. 1. Ed. São Paulo, 2007.

//www.globo.com. Acesso em 09 de novembro de 2013.

 

Compartilhe issoShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on StumbleUponShare on LinkedInShare on RedditEmail this to someoneShare on Google+

Escrito por Fernando Ivan

Quase Químico, louco por reações, por fogo por química e por trabalho humanitário. Sinceramente acho que a salvação do mundo está apenas na educação e ajuda ao próximo.

Um comentário

  1. parabens, excelente texto……

Seu comentário é bem vindo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Ao falarmos do polônio logo nos vem à cabeça o país Polônia, pois este elemento radioativo de número atômico 84 foi descoberto por Pierre e Marie Curie.