Ciências e Tecnologia » Biologia » 10 Pragas animais que afetam ecossistemas

10 Pragas animais que afetam ecossistemas

O homem pode até ser a criatura que mais destrói e afeta ecossistemas no planeta, porém muitas vezes ele acaba contando com uma ajudinha: transferindo espécies animais de uma região a outra, o ser humano promove, muitas vezes, verdadeiros desastres ecológicos sem se dar conta e até que qual reação seja tardia.

Há casos clássicos de introdução de espécies em outros continentes que causaram e causam desastres ambientais e até mesmo extinções massivas de espécies.

Os gatos australianos

Trazidos por colonos europeus desde os séculos XVIII e XIX, os gatos se tornaram uma das maiores pragas a pisar na Austrália. A população desses animais na ilha, atualmente, pode chegar a até 20 milhões.

Os gatos se multiplicaram e tornaram-se selvagens, disputando a caça com mamíferos locais e até mesmo se alimentando deles. O resultado é que a extinção de mamíferos no país ocorre de forma mais acelerada do que em qualquer outro lugar do mundo. Cerca de 30 espécies já foram extintas desde a época da colonização – ou 10% das existentes na ilha.

E também coelhos

Ainda na Austrália, um cruzamento de coelhos europeus com espécies domésticas se tornaram uma das mais numerosas pragas entre mamíferos no mundo. Os coelhos são resistentes, multiplicam-se de modo incrivelmente rápido e se alimentam freneticamente, destruindo pastos e alguma plantações.

O governo faz o possível para exterminar os animais, mas sua multiplicação é ainda mais rápida. Hoje há algumas centenas de milhões de coelhos no país.

Peixe-leão

Peixe-leão

O peixe-leão, originário do Oceano Índico, é uma espécie resistente que, por alguma razão, desembarcou no Mar do Caribe. A espécie possui poucos inimigos naturais e é voraz, se alimentando de muitas espécies de peixes e animais da região sem muita concorrência.

O animal ainda possui toxinas que são capazes de matar alguns tipos de predadores da região, afetando animais de todos os tipos de tamanhos.

Mexilhão-zebra

Originário de mares continentais como o Negro e o Cáspio, esse molusco foi erroneamente introduzido nos Grandes Lagos, entre o Canadá e Estados Unidos e hoje infesta boa parte dos lagos e reservatórios da América do Norte, bloquendo passagens, comportas e encanamentos.

Mexilhão-zebra

História antiga

O homem não causa esse tipo de incidentes apenas nos dias de hoje – civilizações e povos antigos também cometiam desastres similares, sem se darem conta disso. É o caso dos polinésios – em suas expedições pelas diversas ilhas do Pacífico, levam a muitas delas o rato da polinésia, uma espécie voraz de roedor.

O rato, inserido em ilhas que não possuíam outros mamíferos, desequilibravam o volume de alimentos para répteis e pássaros, além de impedir o reflorestamento em algumas regiões, comendo frutas e sementes de plantas locais.

Outros exemplos de pragas

Os exemplos são muitos e sua introdução como espécie invasora pode ser incidental ou mesmo motivada por algum tipo de tentativa de “solucionar” problemas. Por exemplo – o caranguejo peludo chinês é hoje um invasor em muitas águas internacionais, e sua proliferação foi promovida em razão de sua importância na alimentação.

O caracol argentino, introduzido por engano na Ásia, causou já a quebra de safras de arroz em muitos países, além de transmitir determinadas doenças tropicais.

Os próprios pombos, nativos da Europa, são hoje uma praga mundial urbana, transmitindo doenças e danificando prédios, monumentos e estruturas com suas fezes de grande acidez.

Casos de espécies introduzidas no Brasil

No Brasil, dois exemplos clássico – as tilápias-do-nilo, introduzidas no Brasil a partir do século XX, são uma das espécies de peixe invasoras que causam a extinção e redução da população de outros peixes em rios nacionais. Outro exemplo ainda é a introdução da agressiva abelha africana, trazida para elevar a produção de mel. Essa abelha expulsa aves e outras espécies dos locais onde se instala, além de procriar com abelhas europeias.

Agressiva abelha africana, trazida para elevar a produção de mel

Caramujo Africano

Outro exemplo é o caramujo-africano, a espécie é considerada uma praga em vários países mundo a fora. Ela trazida para o Brasil de maneira ilegal em meados dos anos 80, o objetivo era criar um “substituto” com melhor custo e maior peso para o escargot verdadeiro (Helix aspersa). Porém em pouco tempo de criação os criadores descobriram que o animal não tinha boa aceitação comercial no mercado, logo em seguida esses criadores se desfizeram dos animais de forma irresponsável.

Eles soltaram os caramujos em parques, matas ou mesmo no lixo, Os caramujos na ausência de predadores naturais se multiplicaram rapidamente, invadindo vários ecossistemas brasileiros.

caramujo-africano

Gostou desse artigo? Rebeca outros artigos de biologia em seu email?

[wysija_form id=”3″]
Compartilhe issoShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on StumbleUponShare on LinkedInShare on RedditEmail this to someoneShare on Google+

Escrito por Equipe de Redação Ciências e Tecnologia

Seu comentário é bem vindo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Casos clássicos de introdução de espécies em outros continentes que causaram e causam desastres ambientais e até mesmo extinções massivas de espécies