Ciências e Tecnologia » Biologia » Rafflesia Arnoldii – A flor-monstro do sudeste asiático

Rafflesia Arnoldii – A flor-monstro do sudeste asiático

Esta planta do sudeste asiático tem a maior flor individual conhecida no mundo, seu nome científico é uma homenagem a Stamford Raffles e Joseph Arnold, que descobriram a flor em 1818. É uma espécie parasitária sobre os membros do género Tetrastigma (na família da uva, Vitaceae). Ela não tem raízes ou folhas, e nem sequer faz fotossíntese e na maioria das vezes vive despercebida dentro dos troncos de madeira e raízes de seu hospedeiro. A Rafflesia arnoldii só se torna visível quando seus botões macios emergem através da casca de seu hospedeiro. Se desenvolvem nas flores grandes e carnudas que são polinizadas por moscas.

Já foram encontrados exemplares de até 1 metro de diâmetro, pesando 11 quilos. A flor da Rafflesia arnoldii produz uma substância que atrai insetos, que ficam presos no liquido pegajoso permitindo que a planta se alimente deles. É popularmente conhecida como “flor-monstro”, devido ao seu tamanho.

Rafflesia arnoldii

Rafflesia arnoldii

Preservação da Rafflesia Arnoldii

Ainda é desconhecido como muitas destas plantas ainda sobrevivem, mas com as florestas primárias remanescentes de Bornéu e Sumatra desaparecendo, pode-se supor que os números estão a diminuir. Muitas  espécies são conhecidas por estar perto da extinção.

Alguns ambientalistas estão desenvolvendo maneiras de recriar ambiente da Rafflesia arnoldii em um esforço para estimular a sua recuperação., que não foi bem sucedida até agora. Passos também estão sendo dados para conservar as florestas de Sumatra e Bornéu. Para ajudar a combater o excesso de recolha desta planta rara, os moradores que têm Rafflesias em sua propriedade privada são incentivados a salvar as flores e cobrar uma pequena taxa para visitas de turistas.

Reprodução da Rafflesia Arnoldii

 

A Rafflesia Arnoldii é rara e bastante difícil de se localizar, especialmente é difícil localizar a flor em florestas, pois como as papilas demoram muitos meses para se desenvolver e a flor dura apenas alguns dias. As flores são unissexuais e, assim, a proximidade de flores masculinas e femininas é vital para a polinização bem sucedida. Esses fatores tornam uma polinização bem sucedida, um evento raro.

Quando a Rafflesia está pronta para reproduzir, uma pequena forma de broto sai para fora da raiz ou caule do seu hospedeiro e se desenvolve ao longo de um período de um ano. Se desenvolve, e eventualmente se abre para revelar a flor. O estigma ou estame estão ligados a um disco cravado dentro da flor. Um mau cheiro de carne podre atrair moscas e besouros para polinizar.

Para polinizar com sucesso, as moscas ou besouros devem visitar as plantas masculinas e femininas, nessa ordem.

Rafflesia Arnoldi vista por dentro

Rafflesia Arnoldi vista por dentro

Compartilhe issoShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on StumbleUponShare on LinkedInShare on RedditEmail this to someoneShare on Google+

Escrito por Larissa Souza

Bióloga apaixonada por insetos e plantas desde pequena ama a vida em todas as suas formas.

4 Comentários

  1. Kelvin Henrique Vieira

    Muito Top essa Planta, estava vendo umas plantas que inibem o cultivo do Milho, ai do nada clicando encontrei … Ela somente sobrevive em lugares frios ?

  2. كل مميزاتها رائعة سوى رائحتها..العلم جميل

  3. جميل

  4. Top essa planta. Queria ver uma de perto

Seu comentário é bem vindo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Rafflesia arnoldii só se torna visível quando seus botões macios emergem através da casca de seu hospedeiro. Se desenvolvem nas flores grandes e carnudas qu