Ciências e Tecnologia » Biologia » Stent eletrônico desobstrui artérias e se dissolve sozinho.

Stent eletrônico desobstrui artérias e se dissolve sozinho.

Todo ano, estima-se que meio milhão de norte-americanos são submetidos à uma microcirurgia (chamada de angioplastia) para colocação de stents (pequeno tubo, expansível em forma de rede ou malha, feito de metal) para escorar e desobstruir artérias coronárias estreitadas devido a formação de placas, obstruções ou coágulos, permitindo a melhor passagem do sangue. Entretanto, algumas vezes acontece do stent também ficar obstruído. Cientistas desenvolveram um novo tipo de stent multitarefa que poderia minimizar os riscos associados a esse procedimento médico.

Stent eletrônico desobstrui artérias e dissolve-se quando não é mais necessário

Stent eletrônico desobstrui artérias e dissolve-se quando não é mais necessário

Um stent inteligente

Esse stent é capaz de medir a temperatura e o fluxo sanguíneo, armazenar e transmitir informações relevantes para posterior análise e pode ser absorvido pelo corpo depois de concluída sua função. Os resultados da pesquisa se encontram na revista ACS Nano.

Esse stent multifuncional é capaz de mensurar o fluxo sanguíneo, fazer leituras de temperatura, liberar drogas para auxiliar no tratamento e, quando já não é mais necessário, dissolve-se e é absorvido pelo organismo.

Médicos têm realizado cirurgias para implantar stents para desbloquear artérias coronárias há mais de 30 anos. Durante esse tempo, os dispositivos evoluíram de tubos metálicos para redes ou malhas metálicas que podem liberar drogas para prevenir re-obstrução dessas artérias. Entretanto, mesmo os modelos mais avançados estão associados a riscos a saúde do paciente. Pesquisadores têm trabalhado em versões que pudessem ser absorvidas pelo corpo, minimizando o risco de formação de um novo coágulo. Dae-Hyeong Kim, Seung Hong Choi, Taeghwan Hyeon e colaboradores estão levando essa ideia um passo adiante

Esses pesquisadores desenvolveram e testaram em animais um stent liberador de drogas eletrônico que pode fornecer diagnósticos através da medição do fluxo sanguíneo, que diminui quando uma artéria começa a ficar obstruída. O dispositivo pode também se dissolver quando não for mais necessário.

Referências

SON, Donghee et al. Bioresorbable Electronic Stent Integrated with Therapeutic Nanoparticles for Endovascular Diseases.Acs Nano, [s.l.], v. 9, n. 6, p.5937-5946, 23 jun. 2015. American Chemical Society (ACS). http://dx.doi.org/10.1021/acsnano.5b00651.

 

 

Compartilhe issoShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on StumbleUponShare on LinkedInShare on RedditEmail this to someoneShare on Google+

Escrito por Isis Gasparini

Seu comentário é bem vindo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Cientistas desenvolveram um novo tipo de stent multitarefa que poderia minimizar os riscos associados a esse procedimento médico